Qualidade do ar

Serviços prestados

  • Coleta
  • Analises
  • Laudos
  • Correções Pontuais para melhorias do Ambiente




Atendimento personalizado

Você gostaria de comprar algum produto, abrir chamado de assistência, ou tirar duvidas? Clique aqui     SOLICITE ATENDIMENTO

Responsabilidade Ambiental

Os padrões de qualidade do ar, segundo publicação da Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2005, variam de acordo com a abordagem adotada para balancear riscos à saúde, viabilidade técnica, considerações econômicas e vários outros fatores políticos e sociais. As diretrizes recomendadas pela OMS levam em conta esta heterogeneidade. Contudo no Brasil, os padrões de qualidade do ar foram estabelecidos pela resolução nº 9/2003 da ANVISA e resolução nº 3/1990 do CONAMA.

Segundo a resolução do CONAMA os padrões foram divididos em padrões primários e secundários.

São padrões primários de qualidade do ar as concentrações de poluentes que, ultrapassadas, poderão afetar a saúde da população. Podem ser entendidos como níveis máximos toleráveis de concentração de poluentes atmosféricos, constituindo-se em metas de curto e médio prazo.

São padrões secundários de qualidade do ar as concentrações de poluentes atmosféricos abaixo das quais se prevê o mínimo efeito adverso sobre o bem estar da população, assim como o mínimo dano à fauna e a flora, aos materiais e ao meio ambiente em geral.

Os parâmetros regulamentados pela legislação ambiental são os seguintes: partículas totais em suspensão, fumaça, partículas inaláveis, dióxido de enxofre, monóxido de carbono, ozônio e dióxido de nitrogênio. A mesma resolução estabelece ainda os critérios para episódios agudos de poluição do ar.

Com base nisso, podemos dizer que devemos nos preocupar cada vez mais com a qualidade do ar que respiramos o que torna indispensável a instalação ou a manutenção do sistema de climatização de nossa casa ou ambiente de trabalho.

O sistema de ar condicionado pode deixar o ar em condições favoráveis ou desfavoráveis. Caso o equipamento não esteja funcionando de acordo com as normas irá além de ter um elevado consumo de energia, deixar o ar do ambiente em condições prejudiciais à saúde das pessoas que frequentam o mesmo.

Um bom dimensionamento acompanhado de uma manutenção periódica, com certeza irá manter o ambiente dentro das normas técnicas vigentes e principalmente, o ar terá uma boa qualidade, livre de elementos contaminantes prejudiciais à saúde.

A resolução da ANVISA orienta sobre como proceder sobre aerodispersóides (sistema disperso, em um meio gasoso, composto de partículas sólidas e/ou líquidas), fungos, bactérias, vírus, entre outros contaminantes.

Concluímos então, que é imprescindível o bom dimensionamento de equipamentos de climatização, e uma boa conservação do mesmo dentro dos padrões exigidos pela legislação brasileira.

Conama: nº3 /1990

ANVISA: nº 9/2003



Nossa equipe técnica está em constante evolução, para que possamos sempre conciliar nossas atividades sem agredir nosso meio ambiente.